DAS RUAS PARA A VIDA!

Conheça mais uma história de transformação de um fruto da CRAVI!

Era 04 de dezembro de 2000. A partir de então, uma nova história começava a ser escrita na vida de um homem que já não sonhava mais. Vanderlino Alves havia perdido tudo: família, emprego, bens e oportunidades. Porém, a entrada em um ônibus errado mudou todo o percurso da caminhada de um jovem que sempre sonhou em ser jogador de futebol, mas que teve a bebida como o grande empecilho de mais uma realização pessoal.
O homem de sorriso fácil e coração gigante saiu de Registro com destino ao Estado do Mato Grosso. Seus planos estavam traçados, mas Deus tinha uma nova trajetória para ele. Por isso, embarcou, sem saber, para Curitiba. Os primeiros quatro dias na cidade foram muito difíceis. Preso à dependência do álcool e sem dinheiro para sobreviver, fez da rua sua casa. A escuridão dos esgotos era a sua companhia, sua principal refeição vinha do lixo.
Nesse novo lar, refletia em tudo que havia deixado para traz. O menino natural de Tobias Barreto, no interior de Sergipe, veio de uma família batalhadora. Com 20 anos conheceu o álcool. Ficou casado por 15 anos e, apesar de amar sua família, a dependência o venceu. Deixou tudo para traz e chegou ao temido fundo do poço.
UMA NOVA HISTÓRIA
Dentro desse universo sombrio conheceu alguns moradores de rua que lhe falaram de um lugar que poderia mudar a sua vida: a CRAVI. Com a ajuda da fundadora do PRECAVIDA, Vanderlino chegou até a Comunidade Terapêutica. “Antes, eu tinha uma vida social estabilizada, digna. De repente, me vi dormindo na rua, em cima do papelão, uma situação drástica. Desejo que ninguém passe por essa experiência. Foi aí que busquei ajuda”, lembra ele.
Quando chegou à antiga sede da CRAVI, em Campo Largo, haviam 115 acolhidos, antes chamados de alunos. “Senti-me em uma prisão, me adaptei e vi que eu precisava daquele lugar”, comenta. Vanderlino venceu a batalha contra o alcoolismo e há 16 anos tem sido referência para outras pessoas que enfrentam situações semelhantes a que ele viveu. Além de morar na Instituição, ele também assumiu a presidência da comunidade.
Chamado carinhosamente por todos como Vandeco, ele também é o responsável pela cozinha da CRAVI. As fotos das suas delicias postadas nas redes sociais deixam todos com água na boca e revelam o amor e gratidão desse homem que tem uma participação gigante dentro dessas duas décadas em que a CRAVI vem resgatando vidas da dependência química. “A CRAVI mudou para o bairro Campo Grande no dia 21 de agosto de 2001. Tenho orgulho em dizer que fui o primeiro a dormir na chácara. E de lá para cá, tudo que existe na Instituição tem um dedinho meu, e isso é muito prazeroso para mim”, explica.
Ao falar desse processo, seus olhos brilhantes revelam sua gratidão ao trabalho realizado pela Instituição. “ Posso dizer que minha idade é 16 anos, pois antes disso eu estava morto, agora sei que tenho vida, pois a CRAVI me resgatou”, conta emocionado.